Browsing by Title


or enter first few letters:  
Showing results 21 to 40 of 4467 < previous   next >
PreviewTitleAuthor(s)???itemlist.dc.contributor.author1??????itemlist.dc.description.resumo???
2009_jordana_ferreira_disseracao.pdf.jpgAves e efeitos da fragmentação em um remanescente florestal do Quadrilátero Ferrífero, MGFerreira, Jordana Demicheli-O Quadrilátero Ferrífero é líder mundial na produção de minerais metálicos, principalmente minério de ferro. Essa intensa atividade mineradora é responsável pela transfiguração da paisagem com impactos ainda pouco estudados sobre a biodiversidade regional. O primeiro capítulo apresenta uma lista de aves de um remanescente florestal da região, a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Mata Samuel de Paula (MSP). A reserva possui 147 ha e está localizada na área de transição entre Mata Atlântica e Cerrado, no município de Nova Lima. A vegetação é composta por floresta estacional semidecídua secundária, fitofisionomias campestres de cerrado e campos ferruginosos. O levantamento foi feito por observação audiovisual e captura com redes de neblina ao longo de um ano. Registrou-se 159 espécies de aves, das quais foram avaliados hábitat e freqüência de ocorrência, sazonalidade e situação de migração. A lista apresenta uma espécie globalmente quase-ameaçada de extinção, Embernagra longicauda, uma globalmente em perigo de extinção, Scytalopus indigoticus, uma considerada vulnerável em Minas Gerais e no mundo, Poospiza cinerea e outra considerada em perigo de extinção em Minas Gerais, Campephilus robustus. Ocorrem também 29 espécies endêmicas da Mata Atlântica, três do Cerrado e uma dostopos de montanha do sudeste do Brasil. Foi elaborada também uma análise comparativa de inventários de outras cinco unidades de conservação do Quadrilátero Ferrífero, que mostrou mais 44 espécies endêmicas da Mata Atlântica, cinco do Cerrado e uma dostopos de montanha do sudeste do Brasil, além de outras 17 ameaçadas de extinção. O segundo capítulo examina os efeitos da fragmentação nessa comunidade de aves. A hipótese da ‘amostra aleatória’ afirma que as comunidades de fragmentos pequenos são amostras aleatórias das áreas originais, pois são formadas por extinções estocásticas. Uma abordagem alternativa supõe que as probabilidades de extinção estão relacionadas a atributos biológicos das espécies, gerando comunidades não-aleatórias em fragmentos pequenos. É testado nesse capítulo se atributos biológicos como guilda, flexibilidade no uso de habitat, estado de raridade e endemismo estão relacionados à ausência de espécies no fragmento. As análises foram feitas pela comparação da comunidade observada a uma comunidade hipotética, gerada a partir de um regime de extinção aleatório realizado a partir de uma comunidade de um grande fragmento relativamente bem conservado da região. Algumas guildas se mostraram mais depauperadas e outras menos, sendo ‘insetívoro de forrageamento interno de tronco’, ‘insetívoros de forrageamento terrestre’ e ‘frugívoros/insetívoros grandes arbóreos’ as mais sensíveis e ‘frugívoros/insetívoros arbóreos pequenos de sub-bosque’ e ‘nectarívoros/insetívoros’ as mais resilientes. Conclui-se também que as espécies raras e incomuns estão mais ausentes do que o esperado nesse fragmento, assim como as espécies com baixa tolerância a bordas e florestas secundárias. O resultado obtido indica que a ausência de espécies na MSP não é aleatória, ao contrário, está relacionada a características intrínsecas das espécies. A partir dos resultados foram inferidos os fatores da paisagem que, aliados às características das espécies, mais determinam a sensibilidade à fragmentação. Reservas de grande área ou com apropriada conectividade e o controle da extração de madeira e caça são considerados, de acordo com os resultados, primordiais à conservação.
1977_sergio_celaschi_dissertacao.pdf.jpgÁgua ligada e propriedades elétricas da LisozimaCelaschi, Sérgio-Utilizando-se quatro diferentes técnicas de medidas analisou-se as propriedades dielétricas e estruturais da lisozima com grau de hidratação inferior a 40mg H2O/g prot. De um modo geral todos os efeitos observados foram relacionados com a presença de moléculas de H2O ligadas aos sítios hidrofílicos existentes na superfície da macromolécula proteica. Das curvas de Descarga Isotérmica observa-se a existência de dois diferentes sítios de ligação ambos caracterizados por frequência, medida de temperatura ambiente, no intervalo de 10-2Hz, indicando que as moléculas se encontram fortemente ligadas. O processo de despolarização pode ser, em princípio, devido a dois efeitos: a rotação e a desorção das moléculas de H2O. Os dados experimentais indicam os efeitos da desorção como os principais. As energias de ativação do processo de desorção, encontradas para os dois diferentes sítios 0.34 e 0.55eV, sugerem que as moléculas de H2O se ligam por uma ou duas pontes de hidrogênio a superfície da lisozima.
2006_biodiversity_research_program_ppbio_basic _document.pdf.jpgBiodiversity research program: PPBio: basic document-Autor::Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-
2018_sandra_veloso_tese.pdf.jpgBioética e segurança biológicaVeloso, Sandra Ceciliano de Souza-Atualmente, além da preocupação com as epidemias causadas por ocorrência natural ou mesmo acidental, há grande preocupação internacional com o uso deliberado de agentes biológicos como armas. Esta tese aborda questões éticas relacionadas à segurança biológica, em especial, aquelas concernentes à responsabilidade dos profissionais e pesquisadores na condução das chamadas “pesquisas de uso dual” e com a não proliferação de armas biológicas. Tomando como base um enfoque bioético para a abordagem do tema, este trabalho se propôs a: 1) Analisar os documentos das discussões, considerações e acordos pertinentes ao tema, realizados nas reuniões da Convenção sobre a Proibição de Armas Biológicas e Toxínicas (CPAB); 2) Desenvolver uma revisão da literatura relacionada com o assunto; e 3) Discutir, desde a perspectiva da bioética, os conflitos e dilemas morais da condução das pesquisas de uso dual e da proliferação de armas biológicas. Para a identificação das discussões na CPAB, foram analisados o texto da Convenção, os relatórios das Conferências de revisões e os relatórios das reuniões de especialistas e de Estados Partes. Já para a busca das publicações, foi realizada uma revisão integrativa da literatura na base de dados PubMed. Como resultados, foram apresentadas a análise da síntese dos trechos selecionados nos documentos da CPAB e a análise das 32 publicações obtidas na revisão. A Bioética foi utilizada como ferramenta teórica de análise, e a Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos da UNESCO como referencial internacional normativo. Como síntese dos principais pontos de discussão, foram elencados: a adoção de códigos voluntários de conduta para cientistas; a necessidade de medidas de conscientização, sensibilização e educação; a responsabilização dos pesquisadores, das instituições, dos patrocinadores e dos governos; a necessidade da utilização da ética aplicada e do exercício do controle ético. Destacando a dificuldade do alcance de consenso nas discussões internacionais em temas de bioética, sobretudo nas questões relacionadas aos avanços científicos e tecnológicos, este estudo aponta para a necessidade de se ampliar e aprofundar na CPAB a discussão sobre a aplicação do controle ético como medida concreta para sua implementação.
1986-bs-10-10-29.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n.10, de 29 de outubro de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1998_bs_01_01_15.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 01, de 15 de janeiro de 1988Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1986_bs_01_01_27.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 01, de 27 de janeiro de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1987_bs_01_01_28.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 01, de 28 de janeiro de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1987_bs_02_02_27.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 02, de 27 de fevereiro de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1986_bs_02_02_28.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 02, de 28 de fevereiro de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1998_bs_02_01_29.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 02, de 29 de janeiro de 1988Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1986-bs-03-03_26.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 03, de 26 de março de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1987_bs_03_03_27.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 03, de 27 de março de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1987_bs_04_04_15.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 04, de 15 de abril de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1986-bs-04-04-25.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 04, de 25 de abril de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1998_bs_04_01_29.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 04, de 29 de fevereiro de 1988Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1998_bs_05_03_15.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 05, de 15 de março de 1988Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1986-bs-05-05-28.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 05, de 28 de maio de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1987_bs_05_04_30.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 05, de 30 de abril de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--
1987_bs_06_05_15.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 06, de 15 de maio de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)--