Browsing by Author Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)


or enter first few letters:  
Showing results 1 to 20 of 706  next >
PreviewTitleAuthor(s)???itemlist.dc.contributor.author1???Issue Date???itemlist.dc.description.resumo???
1ª Oficina de Software Livre do MCT : relatório de realização-Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)2004Descrição da 1ª Oficina de Software Livre do MCT, promovida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e coordenada pela Secretaria de Política de Informática e Tecnologia - MCT/SEITEC, e pela Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa - MCT/SECUP. O evento foi realizado na sede da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, no Rio de Janeiro, nos dias 21 e 22 de outubro e teve como objetivo central realizar um balanço das atividades de desenvolvimento e utilização de software livre no âmbito dos institutos, autarquias e demas agências vinculadas ao MCT
2010_25_anos_mct.pdf.jpg25 Anos de MCT : raízes históricas da criação de um ministérioVideira, Antônio Augusto PassosBrasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)2010Em março de 2010, o Ministério de Ciência e Tecnologia - ou MCT, como é mais conhecido na comunidade científica brasileira - completou 25 anos de existência. Sua criação, oficializada em 15 de março de 1985, com a investidura de Renato Archer (1922-1996) como seu primeiro dirigente máximo, representou a concretização de um sonho antigo, iniciado, pelo menos, 27 anos antes, quando um grupo de cientistas e políticos tentou mudar as bases sobre as quais o Estado nacional apoiava a ciência e a tecnologia no Brasil. A proposta daquele grupo era criar um órgão especificamente dedicado à C&T, porque este seria um dos elementos necessários para mostrar que nosso país compreendia que, sem uma base forte em educação, ciência e tecnologia, nós não nos tornaríamos senhores de nosso próprio destino. Afinal, como disse no início da década de 1960 um antigo e influente político fluminense, o ex-senador Amaral Peixoto (1905-1989), nossa época fizera-se conhecer pelos seguintes qualificativos: era atômica, era nuclear ou ainda era espacial. Em suma, uma época em que a ciência e a tecnologia não poderiam permanecer em segundo plano. Este livro, resultado de convite feito a mim pelo atual ministro de C&T tem, entre seus objetivos - eu me atreveria a dizer que ele é o mais importante -, resgatar alguns dos eventos mais significativos no longo e difícil processo de consolidação da trajetória que deu ensejo à criação do MCT. Em outras palavras, com este livro pretende-se resgatar e divulgar - ainda que não de modo exaustivo e completo - pessoas e eventos que marcaram a existência do MCT, desde o momento em que ele foi concebido até época muito recente. Não é nossa pretensão aqui contar a história do MCT - o que ainda está por ser devidamente feito. E nem poderia ser, uma vez que a pesquisa necessária para esse ambicioso objetivo demandaria tempo bem maior do que aquele entre a encomenda desta obra e sua impressão. Assim, o que se pretende aqui é reunir, da 25 anos de MCT: raízes históricas 13 da criação de um ministério forma mais coerente possível, elementos com valor histórico que se fizeram presentes nos eventos para a criação do MCT. Além, é claro, de descrever as concepções e as opiniões tanto daqueles que lutaram por quanto daqueles que combateram essa ideia. Este livro não deve ser entendido como versão definitiva da descrição analítica dos eventos históricos presentes na gestação das ideias que tornaram o MCT realidade. É provável que muitos nomes e eventos não tenham sido mencionados. E isso se deve tão-somente à nossa ignorância com relação à existência deles. Repetindo: a ausência de menção a pessoas e acontecimentos não deve, em hipótese alguma, ser compreendida como o resultado de alguma avaliação nossa sobre a importância deles para a história que aqui se resgata. Finalmente, este livro pretende contribuir para o conhecimento de documentos que consideramos úteis e relevantes para entender o processo de consolidação da necessidade de se criar um órgão federal e governamental responsável pela coordenação das ações em C&T no país. Para realizar a pesquisa de documentos e imagens, bem como a redação desta obra, o MCT me permitiu organizar uma equipe que se incumbiu de encontrar documentos (textuais e iconográficos) distribuídos por diferentes arquivos, principalmente na cidade do Rio de Janeiro. Também recorremos ao acervo do Centro de Memória do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), ao próprio MCT, à internet, bem como a um questionário elaborado por nós. Esse questionário, que não será reproduzido no livro, foi importante para que pudéssemos conhecer as opiniões de pessoas que, direta ou indiretamente, viveram episódios importantes desde a criação do MCT. A lista de nomes foi elaborada em conjunto com a assessoria do ministro Sergio Machado Rezende e com a Dra. Lúcia Melo, presidente do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Queremos, portanto, deixar aqui registrados nossos agradecimentos a todos os que nos encaminharam gentilmente suas opiniões: José Goldemberg, Ennio Candotti, Francisco Salzano, Ramayana Gazzinelli, José Monserrat Filho, José Israel Vargas, Hélio Barros, Marco Antônio Raupp, Ana Maria Fernandes, Reinaldo Guimarães, Sérgio Mascarenhas, Simon Schwartzman e Lynaldo Cavalcanti.
4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: documento referência-Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (Brasil) (CGEE); Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)2010Peso econômico e vantagens comparativas podem dar ao Brasil papel de destaque em um contexto econômico mundial marcado por dinamismo tecnológico e concorrência acirrada. Ciência, tecnologia e inovação são instrumentos essenciais para o País se inserir nesse processo com êxito crescente, atendendo as demandas por justiça social e respeito ao meio ambiente. Políticas de Estado devem ser consalidados e aprimoradas para favorecer a inovação, insistir nas áreas de estratégicas e promover inclusão social
Ações de apoio ao desenvolvimento tecnológico e inovação nas empresas-Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)2006-
Uma agenda de pesquisa, desenvolvimento e inovação em apoio à estratégia brasileira para o bioetanolRezende, Sérgio MachadoBrasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)2007-
Anais do III Congresso Brasileiro de Rochas Ornamentais e VI Simpósio de Rochas Ornamentais do Nordeste : Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 15 a 18 de novembro de 2007-Centro de Tecnologia Mineral (Brasil) (CETEM); Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)2008A realização do III Congresso Brasileiro de Rochas Ornamentais - III CBRO e do VI Simpósio de Rochas Ornamentais do Nordeste - VI SRONE, no período de 15 a 18 de novembro de 2007, na cidade de Natal-RN, completou um ciclo de quase 10 anos de SRONE que já considerando um evento técnico-científico consagrado no nosso campo de trabalho em PD&I nas áreas correlatas ao segmento de mármores, granitos e rochas afins. É com grande satisfação que apresentamos os anais nesta 6ª edição no momento em que o setor de rochas ornamentais brasileiro atravessa um de seus melhores períodos na história do país, superando muitas expectativas. O presente volume registra as contribuições técnicas apresentadas no III CBRO e VI SRONE, distribuídas em sessões técnicas (palestras e posters), conferências e Workshops para arquitetos e profissionais especificadores de materiais construtivos e decorativos. A nossa expectativa de participação foi amplamente ultrapassada considerando que recebemos cerca de 80 resumos para apresentação, dos quais foram selecionados para publicação - artigos técnicos que compõem os Anais. Novamente podemos observar uma evolução quantitativa e qualitativa dos trabalhos técnico-científicos que têm sido apresentados nos últimos eventos, desde a organização so I SRONE, em 1998. Isto demonstra, não só um crescimento, mas também o amadurecimento e consolidação definitiva nas áreas de C&T relacionadas ao setor de rochas ornamentais. Serviram de exemplos: a formação da Rede de Pesquisa RETEQ-ROCHAS, em 1999, com a realização de diversos estudos e publicações científicos no decorrer destes 8 anos de existência. Os temas de interesse vêm gradativamente se ampliando e se modificando ao longo dos anos, o que pode ser comprovado, através dos congressos internaiconais (CIRO de Guarapari e CIRO de Carrara) e das feiras internacionais do setor, em todos os segmentos da atividade de mineração envolvendo a pesquisa mineral, a lavra e o beneficiamento, além dos segmentos da arquitetura e da construção civil. Gostaríamos de registrar nossos agradecimentos ao governo do Estado do Rio Grande do Norte, à SBG e ao CETEM, pela realização do evento e às demais empresas e órgãos do governo que nos apoiaram para a viabilização do mesmo.
Anais: Conferência do Subprograma de Ciência e Tecnologia : SPC&T FASE II/PPG7-Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Brasil) (CNPq)2008A Conferência do Subprograma de Ciência e Tecnologia -SPC&T Fase II, do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil - PPG7, teve como objetivo promover a integração e o intercâmbio de informações científicas e tecnológicas entre as sub-redes de pesquisa, divulgar os resultados dos projetos e discutir políticas públicas para a conservação e uso sustentável dos recursos naturais da Amazônia. A programação da Conferência foi estruturada em mesas redondas, sessão de painéis e sessão de exposição dos produtos de divulgação científica. Foram apresentados em mesas-redondas os resultados integrados das sub-redes, sendo a Mesa ? Redonda I - Gestão dos Recursos Naturais da Amazônia; Mesa-Redonda II -Ecologia e Manejo de Organismos Aquáticos da Amazônia; Mesa-Redonda III ? Produtos Madeireiros e Não-Madeireiros da Amazônia e Mesa-Redonda IV - Recuperação de Áreas Degradadas na Amazônia. Adicionalmente, foram apresentadas e discutidas, na Mesa-Redonda V - Redes de Pesquisa do SPC&T Fase II na Amazônia: Políticas e Instrumentos de Fomento, as contribuições e lições aprendidas a partir do modelo de pesquisa em rede adotado no SPC&T Fase II para subsidiar a proposição de políticas e instrumentos de fomento em C&T para a Amazônia. Foram apresentados na sessão de painéis os resultados dos projetos de pesquisa aprovados no âmbito do Edital MCT/CNPq/PPG7 nº 48/2005. As sessões foram divididas por grupo temático, sendo que no 2º dia da Conferência foram expostos os resultados dos projetos de pesquisa das sub-redes constituintes dos grupos temáticos: "Produtos Madeireiros e Não-Madeireiros" e "Recuperação de Áreas Degradadas na Amazônia". No 3º dia, foram apresentados os resultados das sub-redes dos grupos temáticos: "Gestão dos Recursos Naturais da Amazônia" e "Ecologia e Manejo de Organismos Aquáticos da Amazônia". Em sessões paralelas, aconteceu a exposição dos produtos da divulgação científica (vídeos, DVDs, livros, cartilhas) gerados pelos projetos de divulgação científica aprovados no âmbito do Edital MCT/CNPq/PPG7 nº 03/2007, bem como no âmbito das sub-redes. Estes Anais contêm informações sobre o Subprograma de Ciência e Tecnologia ? SPC&T Fase II/PPG7, incluindo a apresentação dos grupos temáticos de pesquisa, elaborada pelos consultores do Comitê de Julgamento do Edital MCT/CNPq/PPG7 nº 48/2005, com exceção do Grupo "Temático Recuperação de Áreas Degradadas na Amazônia", que abrangeu a colaboração de analista do CNPq, os artigos-síntese das sub-redes relativos às palestras dos coordenadores de sub-redes apresentadas nas mesas-redondas temáticas, bem como os resumos expandidos dos resultados dos projetos de pesquisa apresentados na sessão de painéis. Foram também incluídos sumários dos relatórios dos projetos de divulgação científica, cujos produtos (DVDs, cartilhas, livros) foram apresentados na exposição de produtos da divulgação científica. A publicação deste livro é mais um mecanismo de registro dos resultados e contribuições deste importante subprograma. Espera-se que esta publicação possa ampliar a divulgação desses resultados e promover o acesso ao conhecimento sobre gestão de águas, recuperação de áreas degradadas e uso e manejo dos recursos aquáticos (peixes, quelônios, jacarés, etc.) e terrestres (produtos madeireiros e não-madeireiros) na Amazônia, bem como fortalecer a experiência bem sucedida da implantação (implementação) do modelo de redes de pesquisa no âmbito da política de C&T e subsidiar políticas públicas relacionadas ao uso sustentável e à conservação dos recursos naturais da Amazônia.
Antártica: ensino fundamental e ensino médio-Brasil. Ministério da Educação (MEC); Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT); Brasil. Ministério do Meio Ambiente (MMA)2006A Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação apresenta aos professores do ensino médio o volume 9 da Coleção Explorando o Ensino. Lançada em 2004, essa coleção tem o objetivo de apoiar o trabalho do professor em sala de aula, oferecendo-lhe material científico-pedagógico que permite aprofundar os conteúdos das áreas de conhecimento e disciplinas da educação básica e, ainda, sugerir novas formas de abordá-los em sala de aula. Estes dois volumes tratam dos estudos e das pesquisas relacionados ao continente antártico e às sensíveis mudanças climáticas a que está submetido.
Astronomia: ensino fundamental e médio : parte 1Nogueira, Salvador; Canalle, João Batista GarciaBrasil. Ministério da Educação (MEC); Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT); Agência Espacial Brasileira (AEB)2009A Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação (MEC) e a Agência Espacial Brasileira (AEB/MCT), por meio do Programa AEB Escola, apresentam aos educadores dos Ensinos Fundamental e Médio mais um volume da Coleção Explorando o Ensino, iniciada com os volumes de matemática. A presente obra Fronteira Espacial: volume 11 - Astronomia e volume 12 - Astronáutica tem o objetivo de apoiar o trabalho do educador em sala de aula, oferecendo um rico material didático-pedagógico sobre estas ciências. Por sua abrangência, a temática A Fronteira Espacial foi dividida em dois volumes: Astronomia (volume 11) e Astronáutica (volume 12). O volume 11 aborda a tentativa do ser humano em desvendar os mundos que o cerca, enquanto o volume 12 apresenta a fascinante viagem da nossa espécie a alguns desses mundos. Tratam-se, portanto de obras complementares.
2006_biodiversity_research_program_ppbio_basic _document.pdf.jpgBiodiversity research program: PPBio: basic document-Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)2006-
1986-bs-10-10-29.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n.10, de 29 de outubro de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1986-10-29-
1998_bs_01_01_15.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 01, de 15 de janeiro de 1988Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1988-01-15-
1986_bs_01_01_27.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 01, de 27 de janeiro de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1986-01-27-
1987_bs_01_01_28.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 01, de 28 de janeiro de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1987-01-28-
1987_bs_02_02_27.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 02, de 27 de fevereiro de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1987-02-27-
1986_bs_02_02_28.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 02, de 28 de fevereiro de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1986-02-28-
1998_bs_02_01_29.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 02, de 29 de janeiro de 1988Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1988-01-29-
1986-bs-03-03_26.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 03, de 26 de março de 1986Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1986-03-26-
1987_bs_03_03_27.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 03, de 27 de março de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1987-03-27-
1987_bs_04_04_15.pdf.jpgBoletim de Pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia, n. 04, de 15 de abril de 1987Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)-1987-04-15-