Browsing by Author Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)


or enter first few letters:  
Showing results 282 to 301 of 481 < previous   next >
PreviewTitleAuthor(s)???itemlist.dc.contributor.author1???Issue Date???itemlist.dc.description.resumo???
Catálogo de serviços / Rede Nacional de ensino e pesquisa.-Rede Nacional de Pesquisa (Brasil) (RNP); Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Brasil. Ministério da Educação (MEC); Brasil. Ministério da Cultura (MinC); Brasil. Ministério da Saúde (MS)2015Pesquisadores, alunos, professores, gestores e educadores estão diante de um novo mundo de possibilidades instigadoras de aprendizado e difusão de conhecimento. A forma como gerações se acostumaram a aprender está sendo diariamente alterada em razão da velocidade da transmissão da informação, de modo multidisciplinar, inimaginável poucas décadas atrás. A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) também é resultado dessa revolução, tendo estruturado a primeira rede de acesso à internet no Brasil. Atualmente, integra mais de 800 instituições de ensino e pesquisa, atingindo cerca de 3 milhões de usuários. Os serviços oferecidos pela RNP utilizam a rede ipê, uma infraestrutura óptica multigigabit através da qual se conectam as principais universidades e institutos de pesquisa, museus, bibliotecas e hospitais universitários brasileiros, que se beneficiam de um canal de comunicação rápido e com suporte a aplicações e serviços avançados. Classificados em Comunicação e Colaboração, Disponibilização de conteúdos digitais, Gestão de identidade, Hospedagem Estratégica e Suporte à Rede Acadêmica, os serviços da RNP são resultado de processos de inovação e prospecção em atividades de análise de cenários e tendências, com parceiros como a academia, o setor empresarial e as principais redes acadêmicas mundiais, que facilitam e promovem a comunicação, a colaboração a distância e a disseminação de conhecimento. Englobando desde a estratégia até a operação, a gestão do ciclo de vida de serviços se dá em função de um aprimoramento contínuo e da análise de novas tendências e demandas, tendo como objetivo o benefício dos clientes da RNP. Internacionalmente, a organização participa do desenvolvimento de diversas iniciativas como GÉANT (Rede Gigabit de Pesquisa Pan-Europeia), TERENA (Rede Transeuropeia de Ensino e Pesquisa), REDCLARA (Cooperação Latino-Americana de Redes Avançadas) e a americana internet2. A troca de experiências proporcionada por essas interações melhora, evolui e amplia a oferta de serviços da RNP. Assim, o presente catálogo de serviços é o reflexo dessas atividades constantes, que agregam valor às ações dos seus clientes e fortalecem a sua interlocução em um mundo cada vez mais globalizado. Nas próximas páginas, você conhecerá os serviços que a organização oferece aos seus clientes e às comunidades específicas e estratégicas, beneficiando as áreas de pesquisa, educação, cultura e saúde. Serviços de alta qualidade e tecnologia de ponta, que permitem a comunicação, a colaboração a distância e a disseminação do conhecimento, sempre aliando redução de custos, disponibilidade, segurança e mobilidade.
2014_centro_argentino_brasileno_biotecnologia.pdf.jpgCentro Argentino Brasileño de Biotecnología : 25 años de colaboración-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2014Este documento presenta el resultado del estudio realizado sobre el Centro Argentino-Brasileño de Biotecnología (CABBIO), en sus 25 años de existencia, de 1987 a 2011, como demanda de la Secretaría Técnica de CBAB en Brasil. En él se presenta el proceso de constitución del Centro, su estructura y las actividades realizadas, con informaciones sistematizadas sobre la distribución de esas actividades y de sus participantes, por países, regiones, instituciones y temas/áreas de actuación. Fueron realizadas entrevistas con gestores, del CABBIO y de la Escuela Argentino-Brasileña de Biotecnología (EABBIO), consultas por medio electrónico a coordinadores de proyectos y de cursos, realizados con apoyo del CABBIO en Argentina y en Brasil. Este Centro es frecuentemente mencionado como un modelo, una referencia entre instrumentos de cooperación regional. Se destaca su continuidad, a pesar de los obstáculos encontrados, y de los períodos de inestabilidad financiera. Además de mostrar las realizaciones y reflexionar sobre los procesos subyacentes al Centro, con el objetivo central de contribuir para su perfeccionamiento y de la cooperación científica y tecnológica regional como un todo, este estudio presenta elementos para la definición e implementación de estrategias e instrumentos que permitan tornar la cooperación cada vez más fructífera. El financiamiento de este estudio se dio por medio del Consejo Nacional de Desarrollo Científico y Tecnológico (CNPq). En varias oportunidades, el proyecto y sus resultados parciales fueron presentados y discutidos en las Secretarías Técnicas y miembros del Consejo y Directores del CABBIO.
2014_centro_brasileiro_argentino_biotecnologia.pdf.jpgCentro Brasileiro Argentino de Biotecnologia : 25 anos de colaboração-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2014Apresenta o resultado do estudo realizado sobre o Centro Brasileiro-Argentino de Biotecnologia (CBAB), nos seus 25 anos de existência, de 1987 a 2011, por demanda da Secretaria Técnica do CBAB no MCTI, em articulação com a Secretaria Técnica do CBAB na Argentina. Nele se apresenta o processo de constituição do Centro, sua estrutura e atividades realizadas, com informações sistematizadas sobre a distribuição dessas atividades e de seus participantes, por países, regiões, instituições e temas/áreas de atuação. Foram realizadas entrevistas com gestores, do CBAB e da Escola Brasileiro-Argentina de Biotecnologia (EBAB), bem como consultas por meio eletrônico com coordenadores de projetos e de cursos realizados com apoio do CBAB no Brasil e na Argentina. Este Centro é freqüentemente mencionado como um modelo, uma referência entre instrumentos de cooperação regional. Destaca-se sua continuidade, apesar dos obstáculos encontrados, de modo particular períodos de instabilidade financeira. Além de mostrar as realizações e refletir sobre os processos subjacentes ao Centro, com o objetivo central de contribuir para seu aperfeiçoamento e da cooperação científica e tecnológica regional como um todo, este estudo apresenta subsídios para a definição e implementação de estratégias e instrumentos que permitam tornar a cooperação cada vez mais frutífera. O financiamento deste estudo se deu por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq. Em várias oportunidades, o projeto e seus resultados parciais foram apresentados ao Conselho Binacional e Diretorias do CBAB, além das Secretaria Técnicas.
CI Brasil : caderno informativo-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2011Este Caderno Informativo tem como objetivo apresentar as principais ações empreendidas pelo programa CI-Brasil criado pela conjuntamente pela Comitê da Área de TI (CATI) e a Secretaria de Política de Informática (SEPIN) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, em 2005, com o objetivo de contribuir na criação e organização do ecossistema de microeletrônica brasileiro.
2013_ciencia_antartica_para_o_brasil_2013_2022.pdf.jpgCiência Antártica para o Brasil: plano de ação 2013-2022-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2013Foi lançado em 2013 o Plano de Ação da Ciência Antártica para o Brasil 2013-2022, que tem como objetivo definir os próximos passos da ciência antártica brasileira. Este documento foi elaborado conforme determinação da Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (SEPED), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) ao Comitê Nacional de Pesquisas Antárticas (CONAPA). O Plano apresenta como visão tornar o País reconhecido internacionalmente, pelo seu elevado desempenho científico na Região Antártica e Oceano Austral, implementando programas temáticos de forma sustentável e que investiguem os processos ambientais e as relações atuais, pretéritas e futuras, entre o continente sul-americano e as regiões polares.
Ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento nacional: plano de ação 2007-2010-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2008-
Dez anos de CVT-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2013Os Centros Vocacionais Tecnológicos (CVT), desde a sua origem, em 1995, se propõem a dinamizar a vida da sociedade, permitindo que a ciência, a tecnologia e a inovação se tornem temas e ações presentes no dia a dia da população. São 10 anos de história, gerando real impacto social, mudando a dinâmica produtiva de comunidades, abrindo o mercado de trabalho à inovação e permitindo a prática do conhecimento científico e tecnológico. Nesse período, os Centros foram implantados, modernizados e expandidos. Chegou o momento de definir novas concepções, de fazer com que os Centros Vocacionais Tecnológicos, além de se fortalecerem como uma grande rede atuem simultaneamente a outras politicas públicas de interesse social, e passem a ser referência em extensão tecnológica, sendo multiplicadores de soluções científicas, permitindo, de fato, que a inovação esteja ao alcance de todas as pessoas. Objetivando concretizar este novo cenário, e seguindo os preceitos da Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) 2012-2015, os Centros Vocacionais Tecnológicos integram o programa estruturante "inclusão Social e Produtiva", articulador de outras politicas públicas desenvolvidas pela Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (SECIS), dentre elas os Arranjos Produtivos Locais, os Territórios da Cidadania, a Agricultura Familiar de Base Ecológica Agroecologia e as Comunidades Tradicionais. Além da articulação com esses projetos prioritários, os CVTs permanecem atuando de maneira transversais a outros programas estruturantes da SECIS, como o de Segurança Alimentar e Nutricional, o de Tecnologias para Inclusão Social e o de Tecnologias para Cidades Sustentáveis. Neste livro também estão registrados os principais momentos históricos do surgimento e da expansão dos CVTs, as unidades existentes, as redes estruturadas e os impactos gerados ao longo desses 10 anos. Em 2013, os Centros Vocacionais Tecnológicos continuam sendo a grande ação do MCTI na promoção da igualdade e da justiça social.
Educação de qualidade desde a primeira infância: textos para discussão : documento preliminar-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (Brasil) (CGEE)2010-
Emissões de gases de efeito estufa no transporte aéreoRovere, Emilio Lèbre La; Dubeux, Carolina Burle Schmidt; Filizola, Alexandre Rodrigues; Silva, Bruno Arantes Caldeira da; Villa, Cristiano Viana Serra; Armborst, TalitaBrasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015-
Emissões de gases de efeito estufa no transporte rodoviárioSantos, Luan; Wills, Willian; Oliveira, Luiza Di Beo; Cordeiro, BrunaBrasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015-
Emissões de gases de efeito estufa nos processos industriais: indústria químicaFanti, Obdulio DiegoBrasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015Este relatório apresenta a caracterização dos processos produtivos da indústria química nacional e suas estimativas de emissões dos gases de efeito estufa (GEE) – dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e óxido nitroso (N2O) – resultantes da produção de substâncias químicas. Também são compreendidos neste relatório os gases indiretos – monóxido de carbono (CO), óxidos de nitrogênio (NOx) e compostos orgânicos voláteis – genericamente referidos por NMVOC (non methanic volatile organic compounds).
Emissões de gases de efeito estufa nos processos industriais: produção de metais-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015O documento dispõe do relatório que apresenta as emissões de gases de efeito estufa (GEE) direto – dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), óxido nitroso (N2O), e indireto – monóxido de carbono (CO), óxidos de nitrogênio (NOx)e compostos voláteis não-metânicos (NMVOC) por produção de metais no Brasil, incluindo as indústrias de ferro-gusa e aço, ferroligas, alumínio, magnésio e outros não ferrosos.
Emissões de gases de efeito estufa nos processos industriais: produção e consumo de HFCs e SF6Peixoto, Roberto de AguiarBrasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015Compostos químicos halocarbonos, também chamados de fluorquímicos, HFCs e SF6 são gases de efeito estufa que fazem parte dos seis gases controlados pelo Protocolo de Kyoto. São consumidos em processos industriais ou usados como alternativas a Substâncias Destruidoras da Camada de Ozônio - SDOs1 em várias aplicações. Também são produzidos em algumas atividades industriais que quimicamente ou fisicamente transformam materiais. HFCs e SF6 também são emitidos em processos industriais, tais como produção de alumínio, magnésio e halocarbonos (emissões de HFC-23 na produção de HCFC-22). Este relatório apresenta as emissões dos gases de efeito estufa pertencentes às famílias de hidrocarbonos parcialmente fluorinados, também conhecidos como hidrofluorcarbonos, ou HFCs, genericamente chamados de halocarbonos, relativamente à sua produção e ao seu consumo. Também são apresentadas as estimativas de emissões de SF6.
Emissões de gases de efeito estufa nos processos industriais: produtos minerais: produção de cimento, produção de cal, outros usos do calcário e dolomita, produção e uso de barrilha-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015Este relatório apresenta as estimativas das emissões de dióxido de carbono – CO2, provenientes da produção de cimento, de cal, de outros usos do calcário e da dolomita com calcinação e do uso de carbonato neutro de sódio (barrilha), para o período 1990-2010. As emissões foram elaboradas com base nas diretrizes do Revised 1996 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, publicado em 1997, (IPCC, 1997), Good Practice Guidance and Uncertainty Management in National Greenhouse Gas Inventories, publicado em 2000, (IPCC, 2000) e 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, publicado em 2006, (IPCC, 2006). De acordo com essas diretrizes, não são cobertas as emissões provenientes do uso de combustíveis para produção de energia, que são incluídas nos relatórios referentes à queima de combustíveis, nem as emissões pelo uso de calcário como insumo agrícola, que são incluídas nos relatórios referentes à mudança no uso da terra e florestas.
Emissões de gases de efeito estufa por queima de combustíveis: abordagem Bottom-upRovere, Emilio Lèbre La; Dubeux, Carolina Burle; Jr. Pereira, Amaro Olímpio; Santos, Larissa Albino da Silva; Santos, Thauan; Aragão, Raymundo; Walter, Michele Karina Cotta; Carvalho, Patrícia Turano de; Abreu, Mariana Weiss de; Malaguti, Gustavo; Villela, Alberto Arruda; Oberling, Daniel; Buzzatti, Marcelo; Zicarelli, Isabella da FonsecaBrasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015-
Emissões no setor uso da terra, mudança do uso da terra e florestasBustamante, Mercedes; Santos, Mauro Meirelles de Oliveira; Shimbo, Julia ZaninBrasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2015O documento dispõe do relatório de referência acerca do terceiro inventário brasileiro de emissões e remoções antrópicas de gases de efeito estufa, sua elaboração foi baseada nas metodologias propostas no Guia de Boa Prática para Uso da Terra, Mudança do Uso da Terra e Florestas (IPCC, 2003).
Energia solar fotovoltaica no Brasil: subsídios para tomada de decisão-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (Brasil) (CGEE)2010Este documento propositivo oferece, aos tomadores de decisão, subsídios quanto as macro ações político-institucionais, que em concerto com a visão de demanda futura e com principais pensamentos estratégicos de especialistas, tenham elevado potencial para promover o estabelecimento e a sustentabilidade do empreendimento fotovoltaico no pais, e é um extrato executivo de documentos gerados no Estudo. O trabalho foi produzido por equipe técnica do CGEE encarregada da liderança do Estudo "Tecnologias Criticas e Sensíveis em Setores Prioritários" (foco no Silício), previsto no Contrato de Gestão, e apresenta elementos e instrumentos que podem balizar ações governamentais que estão em fase de estruturação e que tem o foco em energia solar fotovoltaica, tais como o Sistema Brasileiro de Tecnologia do MCT (Sibratec), o Programa de CT&I em Energia Renováveis do MCT, e o Estudo de Geração Distribuída com Sistemas Fotovoltaicos do MME. O grupo teve a colaboração - em oficinas presenciais e em consultas eletrônicas - de quase duas centenas de pesquisadores e executivos de instituições de governo e de empresas, para chegar a síntese que aqui se apresenta, no formato de quatro propostas centrais e complementares entre si:\ 1) Incentivo a pesquisa e a inovação tecnológica; 2) Criação de mercado consumidor; 3) Estabelecimento de industrias de células solares e de módulos fotovoltaicos; e 4) Estabelecimento de industrias de silício grau solar e grau eletrônico. O detalhamento dessas macropropostas e apresentado nos próximos capítulos, e vem precedido, no capitulo respectivo, por considerações derivadas do olhar de especialistas para tendências e fatos portadores de futuro, constituintes da realidade brasileira para os elos mais relevantes da cadeia produtiva em energia solar fotovoltaica. Por fim, o CGEE agradece a continuidade de esforços e a colaboração direta no Estudo de instituições como ABDI, MCT (Setec/Sepin), MME, MMA, MDIC; e considera de grande valor as contribuições das demais ICT e empresas citadas nos documentos gerados.
2013_estimativas_anuais_emissoes_gases_efeito_estufa_brasil.pdf.jpgEstimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2013Em cumprimento à responsabilidade designada, esse Ministério executou sua competência apresentando o presente relatório de estimativas anuais dentro do prazo determinado.As Estimativas foram submetidas à análise de especialistas de cada setor ligados à Rede Clima, como parte do processo de controle e garantia de qualidade. Os comentários recebidos foram analisados pela equipe e incorporados, quando pertinentes, ao escopo do exercício.
2014_estimativas_anuais_emissoes_gases_efeito_estufa_brasil.pdf.jpgEstimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2014A fim de acompanhar o cumprimento do compromisso nacional voluntário para a redução das emissões (Art. 12 da Lei no 12.187/2009) até o ano de 2020, foi estabelecido no Art. 11 do Decreto no 7.390/2010 que serão publicadas, a partir de 2012, estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil em formato apropriado para facilitar o entendimento por parte dos segmentos da sociedade interessados. A responsabilidade da elaboração dessas estimativas, bem como do aprimoramento da metodologia de cálculo da projeção de emissões, é de grupo de trabalho coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.
Estudo, análise e proposições sobre as incubadoras de empresas no Brasil : relatório técnico-Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)2012A Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) atua como catalizador das ações voltadas aos aspectos tecnológicos deste Ministério. Entre os instrumentos utilizados pela Secretaria para o incentivo à cultura da inovação, ao empreendedorismo e à implantação de novas empresas de base tecnológica situam-se as incubadoras de empresas, vistas como "habitats de inovação" apropriados para oferecerem apoio administrativo e assistência tecnológica às micro e pequenas empresas inovadoras de todos os setores da economia brasileira. Dada a relevância desse instrumento para o surgimento e manutenção dessas empresas inovadoras, no âmbito do Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos - PNI, foi realizada uma parceria entre o MCTI e a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores - ANPROTEC para a realização do projeto "ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES SOBRE AS INCUBADORAS NO BRASIL" com o objetivo de levantar e atualizar as informações e os indicadores das incubadoras brasileiras. Este estudo foi realizado na gestão do Secretário Ronaldo Mota, que muito contribuiu para a consolidação do PNI, no fomento a esses novos habitats de inovação de modo a inseri-los nas políticas de desenvolvimento tecnológico e econômico local e regional. Conforme os dados apurados neste estudo, finalizado em 2011, verifica-se que o movimento das incubadoras de empresas no Brasil encontra-se entre os maiores do mundo, sendo, portanto, considerado "maduro". Com atuação de maneira descentralizada, cabe aos governos federal, estadual e municipal a função orientadora e de reconhecimento das incubadoras e dos parques tecnológicos como mecanismos de apoio à inovação e ao desenvolvimento local e regional, indutor do crescimento da economia e geração de empregos. Uma revelação importante do estudo foi a constatação de que a qualificação dos profissionais responsáveis pela gestão e pelo apoio às empresas incubadas foi considerada uma das grandes dificuldades enfrentadas pelas incubadoras, aliada aos entraves na obtenção de recursos na busca da sustentabilidade e na integração desses mecanismos aos sistemas locais e regionais de inovação.